A mulher quando quer

A mulher quando quer
até o diabo se benze
pede ‘pelo amor de Deus’
E ela nem ouve
Ouvir, ouve
mas não escuta, cínica
A boca apertada, impassível
que só o quase imperceptível riso sádico no olhar denunciaria
Isto se ela não quisesse tanto assim….
Pois, meu amigo
se ela decidiu, não tem Maquiavel, não tem Marquês
que a a demova da ideia.
‘Má cousa, é má cousa’, alerta a poeta
mas a mulher ama o mal,
é a sua forma de amar
e a poeta sabe, ela é mulher também
então se cala, não por falta do que dizer
Vira cúmplice, comparsa,
assente com a cabeça e diz mentalmente:
“Vai, minha filha”
e a mulher já foi
O que ela quer?!
Esfinge dos novos tempos, por vezes devora, por tantas outras é devorada
Mas queria mesmo ser decifrada.
@pietraprincipe