Síntese

Olhares lúbricos, palavras de baixo calão soando como poesia rebuscada, mini torturas pontuais, joelhos no chão… Boca, é claro. Você pede mais, eu faço que não mas obedeço (querer obedecer é submissão?) mesmo porque eu te persuadi a me dar ordens ou será que foi o contrário? O importante é sentir e...

Read More

Do Nada

Da urgência fremente em tê-lo, sobrou um ranço de constrangimento e cansaço. A mulher cansa: Do namorado, do cara que trepa sem compromisso, do homem que ama…Ivariavelmente as pessoas cansam. Por um dia, para sempre, mas sempre. Bad trip pós coito, biscoito da sorte. E por mais...

Read More

Dentro e Redundante.

Olhei de soslaio com as pernas flexionadas e jogadas para o alto procurando em vão disfarçar minha adoração, ‘Mete.’ Entoei esse ‘quase mantra’, uma ordem feita como pedido humilde, mas não conta para ninguém, não me desvende assim. Há uma tendência maquiavélica própria da mulher...

Read More

Conto erótico: Augusta

E era São Paulo, outra vez. Depois de uma semana de trabalho com pequenas licenças poéticas para uma ou duas cervejas, enfim tinha uma noite inteira livre. Fiz check in no hotel vagabundíssimo da Augusta (gosto de falar ‘Auguxx-ta’ com um xis carioca adolescente, só de...

Read More

Vulgaridade Peculiar

Nunca menospreze o colóquio vulgar. Não há ‘concha’, ‘cona’ ou ‘xibiu’ que substitua, numa cama, ainda que barroca, uma buceta ou um pau bem falado. Ah! O falo! Que dama sou eu quando recito o sexo lírico numa sala cheia de eruditos! Malditos papagaios de cor esmaecida...

Read More

A mulher quando quer

A mulher quando quer até o diabo se benze pede ‘pelo amor de Deus’ E ela nem ouve Ouvir, ouve mas não escuta, cínica A boca apertada, impassível que só o quase imperceptível riso sádico no olhar denunciaria Isto se ela não quisesse tanto assim…. Pois, meu amigo se ela decidiu, não tem Maquiavel, não...

Read More