Cinquenta tons de roxo consentidos. Faz sentido?

Diante da polêmica acerca do livro Cinquenta Tons de Cinza não me calarei. Adoraria estar molhando as palavras com saquê para amenizar o que tenho a dizer mas estou fazendo isso com refrigerante. Zero. Estou vanilla hoje. O que não quer dizer que eu o seja sempre. Em verdade, quase nunca.

’Cinquenta tons’ , tido por sei lá que maluco como ‘pornô para mães’ ou ‘incentivador da tortura sexual doméstica’ é um romance. Seria quase Walt Disney para maiores se não houvesse a parte BDSM.

Sim, há um galã bilionário (como um príncipe?) e uma mocinha bela E jovem E inocente que ainda não se deu conta de quão sensual é e.. bem… tem também ESCOLHA.

Topar ou não uma aventura mais sentimental e sensorial que sexual por si só é o mote do livro. O tempo todo se fala em consenso, até em contrato, quando o assunto é sadomasoquismo.

Não estou sendo mais explícita porque não quero estragar o livro, para quem ainda não leu.

Li a versão traduzida para o português e honestamente não sei de quem foi a ‘caretice’ e/ou ‘machismo’ de nunca usar a palavra ‘buceta’ para denominar… A BUCETA!  Já a utilização do ‘pau’ está mais soltinha que em cueca samba canção… Também acho estranho o fato de eles viverem uma MEGA LUXURIOSA AVENTURA SADOMASOQUISTA e não me lembrar de nenhum tapinha ~na cara~. Me parece inverossímil, apenas. Apesar dessas ‘falhas’ o enredo é bom e só peca pelas palavras repetidas pois não é toda língua que é tão vasta e gossstosa feito a nossa, essa adorável portuguesa com adendos brasileiros inigualáveis.

Sobre feministas (isso ainda existe, meu Deus?) estarem planejando queimar os livros em ~praça pública~ eu diria: Coloque fogo na sua cama, minha amiga de bigode!

Citando Raul, meu Aristóteles com influências de Crowley “é ser carregado/ ou carregar gente nas costas” e mais uma vez o “faça o que tu queres/ há de ser tudo da lei!”

Portanto, minha querida dona de casa, estão subjugando a sua inteligência, isso sim, ao acharem que um livro seria capaz de lhe transformar num ratinho de laboratório que não está apta a fazer suas escolhas.

Gostar de violência CONSENTIDA no sexo é uma preferência de cada ser humano, em diferentes níveis.

Pessoalmente, eu gosto muito dos matizes de rosa e lilás.

Boa noite,

@pietraprincipe