Sim N�o

O despertar do prazer feminino

2 de janeiro de 2012

Difícil acordar nesta segundona depois do Réveillon, né!?

Encarar o trabalho é complicado. Mas, não tem o que fazer.

Só que inventaram um despertador que vai deixar essa tarefa um pouco mais prazerosa para as mulheres, quer dizer, se depois disso elas quiserem levantar da cama.

O Little Rooster é um despertador-vibrador e promete acordar a mulherada com um orgasmo. Mas, sem penetração! Não inventem de inserir o objeto onde não deve!

Vibrando com o iPad

15 de março de 2011

Muita gente vibra quando ganha um iPad. Como no vídeo abaixo:

Mas tem gente que vibra muito quando ganha um iPad.

Vou explicar.

Existe um vibrador, o OhMiBody, que pode ser ligado ao iPad ou a um iPhone e, através de um software, tem sua vibração controlada por quem estiver usando o tablet.

Legal, né!?

Veja o vídeo abaixo:

Um belo de um sex toy ultra moderno.

Ah, o OhMiBody também pode ser ligado no iPod e vibrar conforme a música que estiver tocando.

A traquitana aparece no filme brasileiro “De pernas para o ar”

A história do vibrador

6 de outubro de 2010

Eu vivo falando de sex shops e brinquedos eróticos por aqui. Mas eu nunca tinha tido a ideia de procurar a origem deles.

Um tempinho atrás, me deparei com a história do vibrador em um belo post do blog O Caqui

E o pior é que a história não tem nada de pornográfica inicialmente.

Se bobear, a bisavó ou tataravó de muita gente pode ter usado um vibrador.

O motivo: histeria.

Durante o século 19, a massagem clitoriana era um tratamento contra a histeria. Várias mulheres iam ao médico para que tivessem a zona massageada e induzidas a um “paroxismo histérico” (orgasmo).

Comportamentos como ansiedade, irritabilidade e fantasias sexuais eram considerados sintomas de histeria e a mulher era enviada para uma massagem relaxante.

O problema é que os médicos estavam tendo problemas de LER (Lesões por Esforço Repetitivo) nas mãos e pulsos devido a quantidade de massagens que tinham que fazer.

(Hum, safadinhas)

Até que um engenhoso médico,  Joseph Mortimer Granville, inventou e patenteou o primeiro vibrador eletromecânico em 1880.

O objeto virou item médico obrigatório nos consultórios. Só que os mecanismos iniciais eram muito grandes e caros, o que não permitia que alguém tivesse em casa.

Logo, versões menores e mais baratas foram criadas e permitiram as pobrezinhas histéricas terem um vibrador em casa.

O problema é que, no começo do século 20, os vibradores começaram a aparecer em filminhos de sacanagem. Logo os médicos abandonaram a engenhoca, o que transformou o objeto em um tabu que só foi ficando menos “sujo” na década de 60, com o movimento feminista.

Legal, né!?

Vai lá no blog O Caqui e veja a história completa, com mais detalhes e várias fotos.